Inglaterra quer Felipão

Dirigente inglês retorna de Lisboa após falar com Scolari PUBLICIDADE O chefe executivo da Federação Inglesa de Futebol, Brian Barwick, retornou de Lisboa na quinta-feira afirmando que entrevistou Luiz Felipe Scolari, técnico de Portugal, para que ele assuma a equipe inglesa. No retorno a Londres, nesta quinta, ele disse: "Acho que está bem evidente que estivemos em Lisboa para falar com Luiz Felipe Scolari como parte do processo de contratar o próximo técnico, e esse processo continua". Quando voltou para os escritórios da FA em Londres, ele afirmou que o processo continua "em passo acelerado". Barwick viajou na quarta-feira para a reunião depois de obter a permissão da federação portuguesa de futebol para falar com Felipão. Scolari negou-se a comentar as negociações quando falou a repórteres em seu escritório no estádio nacional de Lisboa. "Não há nada sobre o que falar. Vocês já sabem, já ouviram", disse ele na quinta-feira. "Eu continuo a trabalhar para Portugal". A Inglaterra quer substituir seu primeiro técnico estrangeiro, o sueco Sven-Goran Eriksson, que vai deixar o cargo depois da Copa do Mundo. O contrato de Scolari com Portugal termina depois do Mundial da Alemanha. O técnico de 57 anos, que levou o Brasil ao título da Copa de 2002 e Portugal para a final da Eurocopa de 2004, batendo a Inglaterra nas duas ocasiões, tornou-se o favorito para o cargo, de maneira surpreendente. Os ingleses Steve McClaren, Alan Curbishley e Sam Allardyce, além de Martin O'Neill, da Irlanda do Norte, eram os favoritos antes dele. Se as negociações em Lisboa tiverem resultado, a decisão de apontar Scolari para o cargo dependerá ainda de aprovação da direção da FA, que se reúne na próxima quinta-feira. Vencedor e com bastante experiência internacional, Scolari receberia proposta de salário anual de 3 milhões de libras (5,35 milhões de dólares), o que significaria economia de 2 milhões de libras para a FA, de acordo com a estimativa salarial de Eriksson. Mas o nome de Felipão ainda provoca controvérsia. Ele não seria bem recebido pelos ingleses, que preferem um nome local para a vaga de Eriksson. POLÊMICA "Todo mundo fala bem dele, mas acho que a longo prazo isso manda a mensagem errada da FA para os técnicos ingleses. Acho que as ramificações disso serão vistas nos próximos anos", disse Howark Wilkinson, presidente da Associação de Técnicos da Liga, ao Sky Sports. "A FA tem a responsabilidade de fazer o que acha ser o melhor para o interesse do futebol inglês... Na minha opinião, isso não é." Felipão não tem dúvidas sobre sua capacidade ou interesse pelo cargo. Em entrevista recente à BBC, ele disse: "Sou um bom técnico e estou fazendo um trabalho muito bom em Portugal." "A seleção de Portugal talvez esteja melhor do que antes. Sei que sou um bom técnico. Sou um homem do mundo. Trabalhei no Kuweit, na Arábia Saudita, no Japão e no Brasil. E agora trabalho em Portugal. Sou feliz em qualquer país." Questionado se gostaria do cargo na Inglaterra, disse: "Sim, gostaria do cargo. Mas eu teria que aprender mais o idioma e saber mais sobre o trabalho da seleção." Uma pesquisa do site da BBC nos últimos dias, e com 167.400 votos até esta quinta-feira, mostra que 38 por cento dos torcedores preferem O'Neill, ex-técnico do Celtic. Scolari tem 32 por cento das preferências. Allardyce, do Bolton Wanderers, tem 16 por cento, acima dos 10 por cento de McLaren, do Middlesbrough. Curishely, do Charlton Athletic, tem apenas quatro por cento.

09:14 - 28/04/2006






Desenvolvido por Adriano Marinho