Bacabal - Bacabal bateu recorde no registro de casos de hanseníase em 2005

BACABAL - Bacabal está na lista dos 109 municípios brasileiros que nos últimos cinco anos registraram mais de 50 novos casos de hanseníase. Em 2005, foram registrados 9,88 pacientes em cada grupo de 10 mil habitantes, mesmo com a prefeitura do município recebendo R$ 15.922.588,62 para serem aplicados pela Secretaria de Saúde e Saneamento. Por isso é considerado prioritário pelo Ministério da Saúde para a eliminação da doença. Em 2004, 206 cidades estavam na lista. A quantidade de municípios prioritários diminuiu por causa dos avanços do Programa Nacional de Eliminação da Hanseníase, como a atualização dos cadastros e o aumento da oferta de diagnóstico e tratamento. O número pode ser considerado alto, uma vez que a prevalência do Brasil é de 1,48. A coordenadora do Programa Nacional de Eliminação da Hanseníase, Rosa Castália, diz que é preciso ampliar a cobertura para que os casos sejam reduzidos. Rosa Castália explica: “Acho que o maior problema continua sendo o que tem sido nos últimos anos, que é o problema do acesso aos centros de saúde. O paciente precisa ter diagnóstico e tratamento perto de onde ele mora ou de onde ele trabalha”. “No fim de 2004, nós tínhamos 8.614 unidades de saúde fazendo diagnóstico e tratamento em todo o país. Em dezembro de 2005, nós tínhamos 12.151, foi bom, uma ampliação de 40%. Mas se você notar que a gente tem quase 30 mil unidades de saúde em todo o país, a gente não tem nem a metade delas fazendo o diagnóstico e o tratamento. Então o acesso ainda não está como deveria. Ainda não é o acesso fundamental, o acesso que vai revolucionar essas taxas”, alerta a coordenadora. A hanseníase é causada pelo bacilo de Hansen e atinge, normalmente, a pele, os olhos e os nervos. Os principais sintomas são manchas avermelhadas ou esbranquiçadas na pele, que não apresentam sensibilidade à dor ou calor. A doença tem cura. Na primeira dose do tratamento, 99% dos bacilos são eliminados e não há mais chances de contaminação. O tratamento dura de seis meses a um ano, mas não pode ser interrompido. Tuberculose No ano de 2004, a Prefeitura de Bacabal recebeu R$ 13.161.580,47 para a área da saúde. Seis mortes por tuberculose foram registradas no município. Os dados são do próprio Ministério da Saúde. Em fevereiro desse ano, o trabalhador Antônio Pereira da Silva, 36, morador da Vila Prefeito Jurandir Lago, na rua 1, casa 24, em Bacabal, morreu no Socorrão II, em São Luís, com suspeita de leptospirose. Antônio Pereira da Silva e seu pai, José Raimundo de Araújo, 70 anos foram transferidos pela Secretaria de Saúde de Bacabal para São Luís. Antônio Pereira morreu e Raimundo de Araújo conseguiu sobreviver. O prefeito de Bacabal em 2004 era José Vieira Lins e o secretário de Saúde era o atual prefeito, o médico Raimundinho Lisboa. Mesmo mudando de função e passando a ser o gestor maior do município, o médico Raimundinho Lisboa não conseguiu mudar o quadro, e o nome do município volta a figurar na relação dos considerados mais ineficientes pelo Ministério da Saúde. O atual secretário de Saúde, Lílio Guega, não foi encontrado para se manifestar sobre os fatos. Sua assessoria informou que ele está viajando. A chefe da Divisão Epidemiológica da Secretaria, Cleudes dos Anjos, também não foi encontrada.

09:50 - 09/05/2006






Desenvolvido por Adriano Marinho