Infectados por gripe suína já é maior do que o da gripe comum

PORTO ALEGRE - O número de pessoas infectadas pela gripe suína no Brasil já maior do que o da gripe comum. Levantamento do Ministério da Saúde aponta que 60% dos casos são causados pelo vírus H1N1, enquanto 40% pelo vírus da gripe comum. Nas próximas semanas, o contágio pelo vírus H1N1 deve aumentar, segundo o ministro da Saúde, José Gomes Temporão.

A Secretaria de Saúde do Rio Grande do Sul informou que o auge do poder de contágio ocorrerá na terceira semana deste mês. O secretário estadual da Saúde, Osmar Terra, alerta que a epidemia segue sua trajetória como surto sazonal, só devendo arrefecer quando o inverno terminar.

Desde sexta passada foram 20 óbitos no país, com sete no Rio de Janeiro , quatro em São Paulo e quatro no Rio Grande do Su l. Os estados de Pernambuco, Bahia e Santa Catarina anunciaram suas primeiras mortes pela doença . Em Santa Catarina, a Secretaria de Saúde anunciou suspensão de cirurgias agendadas e a limitação de visitas a hospitais para conter o contágio pela gripe A. No Paraná, representantes do setor de Saúde se reuniram para pedir mais autonomia aos médicos e flexibilidade no uso do Tamiflu.

Na semana passada, o Ministério Público Federal notificou o Ministério da Saúde para obter informações sobre o uso do antiviral. A procuradoria quer saber porque o protocolo recomenda uso do antiviral apenas a casos que se agravem, se o medicamento é mais eficiente se ministrado nas primeiras 48 horas do surgimento dos sintomas. A cidade de Foz do Iguaçu decidiu não seguir o protocolo , com base em notas técnicas de infectologistas do município, assim como Passo Fundo , no Rio Grande do Sul.

Terra calcula que haja em torno de 32 mil pessoas infectadas com o vírus H1N1 no Rio Grande do Sul. A estimativa é feita a partir dos atendimentos médicos e da distribuição do medicamento Tamiflu. Na segunda semana deste mês, observada a tendência, o número deverá saltar para 50 mil contaminados. No apogeu da gripe A, que deve ocorrer na terceira semana, haverá mais de 100 mil gaúchos enfermos.

Em países do Hemisfério Norte, onde é verão, como nos Estados Unidos e no México, a doença atingiu seu pico e agora tende a se estabilizar.

A previsão é de que a gripe A infecte cerca de 1% dos gaúchos este ano. Terra observa que esses poderão desenvolver anticorpos contra a doença para o futuro. No entanto, no próximo inverno, se ainda não houver vacina à disposição, outro 1% da população deverá sofrer com o vírus H1N1.

No Rio Grande do Sul, duas das vítimas eram de Passo Fundo, no Norte do estado. Uma dona de casa, de 43 anos, morta no dia 23, sofria de dislipidemia (aumento anormal da taxa de lipídios no sangue). Um torneiro mecânico, de 44 anos, morto no sábado, não apresentava fatores de risco.

A terceira vítima anunciada ontem é um motorista de caminhão, de 45 anos, morto no dia 25, em Novo Hamburgo. Ele tinha hipertensão arterial e era obeso. A quarta morte ocorreu em Santa Maria: um pastor e pintor, de 39 anos, aparentemente saudável, não resistiu ao vírus.

Com o agravamento da gripe A, os gaúchos devem ter reforçados cuidados básicos como lavar as mãos após contato com equipamentos de uso público (corrimão de ônibus, por exemplo), abrir janelas para ventilar ambientes, andar bem agasalhado e alimentado, evitar aglomerações.


Agência O Globo

10:51 - 04/08/2009






Desenvolvido por Adriano Marinho