Sem se importar em ser segunda opção, Mano diz `sim à SeleçãoSem se importar em ser segunda opção, Mano diz `sim´ à Seleção

Atletas invadem a coletiva para cumprimentar Mano (Foto: Gustavo Tilio / Globoesporte.com)

Mano Menezes disse "sim". Após a recusa de Muricy Ramalho, que preferiu seguir no Fluminense, o técnico do Corinthians afirmou nesta manhã de sábado, em uma rápida entrevista coletiva, no Parque São Jorge, que aceita o convite para ser o substituto de Dunga e ter como objetivo a preparação da Seleção Brasileira para a Copa do Mundo de 2014, no Brasil.

 

- Eu gostaria de comunicá-los, como vocês todos já tem conhecimento, ontem por volta das 19h30min ou 20h, recebi convite oficial da CBF para a partir de agora assumir oficialmente o comando técnico da seleção. Tivemos uma conversa longa, Ricardo Teixeira e eu, onde ele me expôs aquilo que a CBF tem como ideia para o projeto de 2014. Fiz questionamentos importantes que entendi que deveriam ser feitos para uma análise mais longa, que pedi a ele depois do encerramento da conversa, com a razão que sempre tento colocar nas minhas decisões e pudesse encaminhar uma posição oficial a partir de agora. E é isso que vim aqui fazer: confirmar. Eu aceito o convite que o presidente me fez. Vamos ter a partir de agora o encaminhamento de algumas outras situações porque vocês vão entender que para mim o fato é novo desde a noite de ontem. Para todo o Brasil, a partir de agora, digo que aceito o convite - afirmou.

 

Durante a entrevista do treinador, os jogadores Ronaldo, Elias, Dentinho, Julio Cesar, Roberto Carlos, Iarley e Alessandro invadiram a sala de imprensa do Parque São Jorge para cumprimentá-lo. Ao lado, o presidente Andrés Sanches, que contratou o treinador no fim da temporada 2007, logo após o rebaixamento para a Série B do Campeonato Brasileiro, acompanhava com os olhos marejados.

 

Questionado sobre o fato de ter aceito o convite logo depois da recusa de Muricy Ramalho, que preferiu permanecer no Fluminense, Mano afirmou que não se sentiu preterido no primeiro momento pela CBF.

 

- Muito pelo contrário, me orgulho muito. Devemos ter no futebol brasileiro uns 50 excelentes profissionais. Se sou o segundo, estou bem colocado. E sou segundo do Muricy, que admiro muito como pessoa. Durante a semana foi encaminhado para Muricy ou Mano, Mano ou Muricy... Não tenho de analisar os porquês do primeiro convite que não teve sequência. O segundo foi feito para mim e estou feliz e orgulhoso. Levei em consideração o que é preciso para se levar neste trabalho - comentou Mano.

 

A apresentação oficial está marcada para segunda-feira, às 16h, na sede da Confederação Brasileira de Futebol, no Rio de Janeiro. No mesmo dia, Mano Menezes anunciará sua primeira convocação, já que o Brasil tem amistoso marcado para o dia 10 de agosto, contra os Estados Unidos, em Nova Jérsei.

 

Antes de assumir o time nacional, Mano comandará o Corinthians pela última vez neste domingo, na partida contra o Guarani, no Pacaembu. Até segunda-feira, data do anúncio oficial da primeira convocação como treinador da Seleção Brasileira, Mano não pretende comentar sobre suas opções para o primeiro compromisso.

 

- Entendo a ansiedade e curiosidade de todos. Combinamos na conversa que tivemos que vou falar sobre Seleção Brasileira, planos e formação de comissão a partir de segunda, quando tem a apresentação. É o marco inicial para começar a falar de um novo projeto. Até domingo vou continuar tendo o máximo de respeito que tive até aqui, levando como prioridade o que tenho de fazer. Sei que domingo vocês vão voltar a me perguntar, mas exatamente porque tudo é novo, recente, e porque devo conduzir como prioridade o Corinthians, vou falar segunda-feira sobre convocação - disse.

 

Amistosos serão bastante comuns até a Copa de 2014, já que por ser o país sede do Mundial o Brasil não precisa participar das eliminatórias. Até lá, a Seleção participa também de duas competições oficiais: a Copa América, em 2011, na Argentina, e a Copa das Confederações, em 2013, no Brasil.

 

Mano Menezes será o responsável por fazer a reformulação da equipe, que nas duas últimas Copas do Mundo, na Alemanha e na África do Sul, parou nas quartas de final. Segundo o presidente Ricardo Teixeira, essa primeira convocação do ex-corintiano terá uma base formada por jogadores que atuam no Brasil.

 

- Chego para ser técnico da Seleção com muito orgulho. A maioria dos técnicos do Brasil gostaria de estar no meu lugar e isso dá ideia do quão importante é o cargo. Vim escrevendo uma trajetória que pensava em um dia chegar na Seleção Brasileira. Acho que foi mais rápido do que pensava. Mas tenho por linha não fugir de convites importantes e aceitar novos desafios. Passa-se todo o tempo se preparando par uma situação grandiosa e essa é a mais grandiosa de todas. E isso é motivo de orgulho muito grande.


Globo Esporte

12:25 - 24/07/2010






Desenvolvido por Adriano Marinho