Um bando em êxtase: Timão empata clássico e conquista o título brasileiro

Foi um título com a cara da Fiel: sofrido, brigado e marcado por lágrimas - de alegria e de saudade. A conquista deste domingo, talvez seja exagero, talvez não, começou de madrugada. Com a morte de Sócrates, aos 57 anos, o Corinthians tinha mais um motivo para ganhar o seu quinto título brasileiro. Como se fosse pouco levantar a taça mais importante do país, o time alvinegro ainda tinha que homenagear o Doutor, um dos maiores ídolos de sua história.

 

Em campo, o Corinthians segurou um difícil empate com o Palmeiras, sem gols. Bastava para ser campeão. Bastou para soltar o grito do bando de loucos. Bastou para um time de operários que brilhou no início do campeonato, quando venceu nove jogos nas dez primeiras rodadas, empatando apenas um.

 

Foi um título sem heróis, a não ser os anônimos, aqueles que frequentam a arquibancada. Ou será de muitos heróis? De um Sheik muito eficiente e do Imperador de um gol só... deles, que sequer jogaram a última partida. Ou do meia Alex, que saiu do banco algumas vezes para salvar os companheiros? Impossível não citar os gols de Liedson, que jogou grande parte do torneio no sacrifício. Como esquecer o atacante Willian, verdadeiro guerreiro da Fiel? Do goleiro Julio César, contestado e tão importante? De Leandro Castan, Paulo André e, por que não, do barrado capitão Chicão? Mas talvez a maior marca desse time operário esteja nos pés de Paulinho e Ralf, seus melhores jogadores. E volantes...

 

Em um campeonato marcado pelo equilíbrio, venceu quem foi mais regular. E muito do mérito corintiano é de Tite. Diante de tantas dificuldades, ele manteve o time na liderança em 27 das 38 rodadas. Mas um título do Timão sem sofrimento parece não ter tanta graça. Talvez por isso o Corinthians tenha levado a disputa até a última rodada. Mas o treinador explodiu de alegria, junto com a torcida, antes do apito final. O Vasco empatou com o Fla, no Rio, e como o jogo terminou antes, era o suficiente para garantir a conquista alvinegra. Foram 71 pontos contra 69 dos vascaínos. Aos palmeirenses, nenhum consolo, já que o time terminou em 11º, com 50 pontos, classificando-se para a Sul-Americana.

 

Os números da campanha corintiana são incontestáveis. Além de ter liderado o torneio por mais tempo, a equipe obteve também a melhor série de resultados na história dos pontos corridos: nove vitórias e um empate nas dez primeiras rodadas. Nem mesmo a crise que viveu no segundo turno foi capaz de atrapalhá-lo. O Timão nunca esteve abaixo do quinto lugar e foi quem obteve o o maior número de triunfos (21) e a defesa menos vazada entre os 20 participantes (36 gols).

 

Com a conquista, o Corinthians iguala-se ao Flamengo em número de títulos brasileiros (oficialmente, a CBF não considera o Flamengo campeão brasileiro de 1987 - o time carioca ganhou o módulo verde da Copa União) , todos na “era moderna” da competição. Os clubes com as maiores torcidas do país estão abaixo apenas de São Paulo, com seis, e de Palmeiras e Santos, com oito, ambos beneficiados com a unificação dos extintos Torneio Roberto Gomes Pedrosa e Taça Brasil.

 

Vencer o principal torneio do país tem um sabor especial para Tite. Depois de balançar no cargo em alguns momentos da temporada, o maior título da carreira faz o treinador afastar a desconfiança de uma ala da torcida e assegura a permanência dele em 2012. A missão agora volta a ser acabar com o eterno desejo alvinegro de conquistar a Taça Libertadores.

 

Quem também se fortalece é o presidente Andrés Sanches, novo chefe de Seleções da CBF. Em um mandato caracterizado pelo aumento de receitas e por contratações badaladas, como Ronaldo, Roberto Carlos e Adriano, o dirigente obtém seu maior triunfo no campo, fechando um ciclo considerado de "redenção" pelos dirigentes – sob a gestão dele, o clube venceu também a Copa do Brasil e o Paulistão de 2009. Ele se afasta do cargo no dia 15 de dezembro, mas deixa seu grupo ainda mais fortalecido para vencer as eleições de fevereiro. Mário Gobbi Filho é o candidato da situação.

 

Nem a briga generalizada entre os jogadores após Jorge Henrique dar um chute no vácuo, marca registrada de Valdivia, estragou a festa corintiana. João Vítor, do Verdão, e Leandro Castán, do Corinthians, foram expulsos, juntando-se a Valdivia (Palmeiras) e Wallace (Corinthians), que receberam vermelho durante a partida. Com jeito moleque, além de repetir o "drible" do rival, o atacante corintiano ainda falou que estava "retribuindo o carinho" do Valdivia, excluído da partida após falta dura, onde sobrou até cotovelo.


Globo Esporte

10:44 - 05/12/2011






Desenvolvido por Adriano Marinho