Com a realização da 8ª Semana de Enfermagem, alunos de zootecnia ficam sem aulas

Nesta quinta-feira, 6, teve início a 8ª Semana de Enfermagem do Centro de Estudos Superiores de Grajaú (Cesgra) da Universidade Estadual do Maranhão (Uema) que trouxe como novidade o I Workshop de Saúde Pública: Do individual ao Coletivo. O evento acontece até amanhã, 8, no Cine-Teatro Frei Lauro, na Cidade Alta.

A 2 km dali, no campus da Uema de Grajaú, duas turmas de zootecnia do quinto e sexto períodos, aguardam a aula do professor Thiago Sales (zootecnista), mas os portões estão fechados. As turmas aguardam por mais de duas horas, ligam para a diretora do Cesgra, Iracilda Falcão, que não atende, pois ela está na Semana de Enfermagem. Da mesma forma, o diretor de curso, Bergson Braga, responde aos alunos que “não é vigia nem porteiro para abrir as portas do campus” e os alunos permanecem ali até a reportagem deste site chegar.

O fato narrado acima aconteceu na noite desta quinta-feira, 6. Para Evanir Gama Pereira, do sexto período do curso de zootecnia, o episódio é lamentável e demonstra o descaso da universidade com os seus alunos. “É um descaso com conosco que saímos de casa ainda pela manhã para trabalhar, seguimos para cá sem passar em casa e chegar aqui e não haver aula, sendo que foi combinado que haveria aula àqueles que não se interessavam em participar da Semana de Enfermagem”.

Evanir explicou e mostrou mensagens que provam que as aulas aconteceriam. “Não temos tempo para brincadeiras. A gente vem para cá e não há aula. Você acha normal uma universidade fechar as portas aos alunos? E ninguém abrir nem para entrarmos? Iríamos para o evento se não tivesse opção, mas enviaram mensagens para nós avisando que, caso não fôssemos à Semana de Enfermagem, haveria aula, mas não foi o que aconteceu”, disse.

As mensagens via celular aos alunos é uma prática da universidade segundo Evanir, porém, sem aprovação do diretor do curso que informou aos alunos que todos os comunicados oficiais da Uema só deveriam ser seguidos se estivessem afixados em mural. Evanir disse que as mensagens, no entanto, continuam a ser enviadas por funcionários do Cesgra. Ontem, 6, as mensagens partiram da diretoria da universidade de que haveria aula, sendo que no dia anterior, 5, saiu um ofício circular informando que todos os alunos deveriam estar na semana de enfermagem e que as faltas seriam abonadas.

Evanir disse também que a disciplina do professor Thiago Sales está atrasada e que ontem começaria disciplina nova. “O professor veio. Ao chegarmos ele estava aqui na frente da universidade sentado esperando, mas não houve aula devido ao portão fechado. Ele ainda tentou ligar para a diretora Iracilda que não atendeu. Estamos com conteúdo atrasado e ontem ele começaria uma disciplina nova”.

Júlio dos Santos Vieira, do sexto período do curso de zootecnia, afirma que o desencontro é falta de comunicação eficiente entre alunos e diretoria. “Falta comunicação. A diretoria não consegue se comunicar com os alunos do Cesgra. Ontem foi passado o comunicado que aconteceria o evento de enfermagem. Nós fomos comunicados e convidados, mas com uma ressalva, de que se nós não quiséssemos ir à Semana de Enfermagem, poderíamos vir à universidade que haveria aula e foi o que fizemos”. Segundo Júlio, os alunos não foram ao evento de enfermagem porque eles têm várias disciplinas atrasadas e a semana de enfermagem não está dentro da área de estudos dos alunos de zootecnia. “Não justifica haver um evento de enfermagem na cidade e por isso não ocorrer aula”, explicou.

A diretora do Cesgra, Iracilda de Sousa Falcão, justificou a falta de aulas aos alunos de zootecnia porque o evento é de toda a instituição. “O evento não é só do curso de enfermagem, mas do Cesgra. É organizado pelos acadêmicos de enfermagem, mas é de toda a instituição. Eles foram convidados e liberados da aula da noite justamente para essa finalidade”. De acordo com ela, apenas oito alunos de zootecnia resistiram em participar do evento de enfermagem.

Ainda segundo a diretora, não há costume da universidade de enviar mensagens via celular aos alunos. Ela afirmou também que o diretor do curso de enfermagem esteve em cada sala fazendo o convite aos alunos de zootecnia para participarem da 8ª Semana de Enfermagem. Falcão atribui a resistência dos alunos em participar do evento devido a algum tipo de rivalidade que há entre os cursos. “Não há porque a gente esconder que há divergência entre os cursos e essa política e rivalidade acontece. Irei conversar com eles, não haverá penalização com faltas, mas nós vamos falar de forma sensata que isso não é para acontecer”.

O professor aguardou o portão do Cesgra ser aberto, segundo os alunos. Iracilda, porém, negou. “O professor não foi ao Cesgra. Ele ficou apenas de passar um trabalho por e-mail para aqueles oito alunos que não quiseram participar da Semana de Enfermagem. Não podia passar para todos por que os outros seriam prejudicados. Quem está perdendo é quem não está aqui. Todos os cursos estão atrelados de alguma forma”.

Maria da Conceição Clara de Sousa, acadêmica de zootecnia, também concorda com Iracilda. Segundo ela, os alunos do seu curso foram informados que não haveria aula nos dias da semana de enfermagem. Ela participa do evento. “Os alunos que não vieram ao evento estão querendo fazer intrigas porque foi avisado que não haveria aula. Foi comunicado através de ofício para nós virmos para a Semana de Enfermagem. Fomos liberados para isso”. Sobre as mensagens via celular por parte da universidade aos alunos, Conceição disse que “não tem conhecimento de troca de informações e comunicados por celular”.


Portal Grajaú de Fato

16:07 - 07/06/2013






Desenvolvido por Adriano Marinho