Estudantes pedem melhorias no campus da UFMA em Bacabal

Restaurante Universitário está fechado e estudantes cobram a reativação (Foto: Wherlyshe Moraes)

Alunos da Universidade Federal do Maranhão (UFMA) em Bacabal reivindicam o funcionamento do Restaurante Universitário, melhorias no projeto de residência estudantil e na estrutura dos prédios da instituição. Os estudantes estão usando as redes sociais para divulgar os problemas de infraestrutura do campus..

Segundo o aluno do curso de sociologia, Wherlyshe Morais, desde que o campus foi inaugurado, em 2010, o restaurante universitário nunca funcionou como deveria. "Começaram construção do RU só que a construção parou há muito tempo, não funcionou nem um ano direito. Essa construção nunca teve placa de valor e prazo para acabar", diz o estudante. Ainda segundo Wherlyshe, não há alternativas para o restaurante dentro do campus e alguns alunos têm que levar comida de casa.

Outra reclamação dos alunos é em relação à residência estudantil. Segundo o universitário, em 2013 os alunos fizeram uma manifestação pedindo melhorias na residências, mas a instituição fez uma parceria coma  Prefeitura de Bacabal e só conseguiram alugar as casas este ano. "Depois da ocupação que fizemos, eles alugaram as casas, mas eles não colocaram os móveis dentro. Já ligamos, fui pessoalmente em São Luís saber quando colocaríam os móveis, mas não tive uma resposta", diz Wherlyshe Morais.

A falta de infraestrutura do prédio também tem causado transtornos. "Outra situação é que o prédio tinha 60 lâmpadas queimadas e eles passaram oito meses para trocar. Todas as salas têm projetores, mas 80% dos plugs das tomadas estão quebrados. Para usar os projetores, a gente tem que fazer a maior gambiarra e até a gente conseguir fazer isso já se foram meia hora de aula", reclama.

O estudante diz que os alunos já marcaram reuniões e solicitaram a solução dos problemas diversas veses, mas que nada foi resolvido. "Sempre falamos com o diretor do campus, Márcio Camelo, mas ele diz que não tem poder para tomar esse tipo de decisão, fica de mãos atadas, porque tudo depende da UFMA de São Luís", explica.


G1

15:53 - 27/03/2015






Desenvolvido por Adriano Marinho