Polícia Federal alerta que quem ajudar a prefeita Lidiane Leite a se esconder será tratado como integrante de organização criminosa

Ainda sem pistas do paradeiro da prefeita do município de Bom Jardim (pelo menos até ontem à noite, terça-feira (25)  por volta das 23 horas) Lidiane Leite a Polícia Federal (PF) lançou um alerta: quem estiver ajudando a prefeita a se esconder será tratado como integrante de organização criminosa. Lidiane é suspeita de desviar dinheiro público da educação e se encontra foragida há cinco dias.

O retrato do abandono no ensino público e do descaso na gestão da prefeita Lidiane Leite está em repercussão no noticiário nacional. Alunos do município de Bom Jardim estão vivendo momentos de angústia, quando o assunto é ir para escola. De acordo com responsáveis de alunos do sistema público de ensino da cidade, as verbas que seriam destinadas para a compra de merenda escolar e reformas das escolas no município foram desviadas pela prefeita.

Outro aspecto que chama a atenção para o caso é a vida de ostentação e luxo que a prefeita levava. O que se destacou na forma em que ela divulgava sua rotina em publicações nas redes sociais. Em uma das postagens a gestora diz: “Eu compro o que eu quiser gasto sim com o que eu quero to nem aí para o que achem beijinho no ombro para os recalcados”. 

Lidiane está foragida desde que foi iniciada a Operação Éden, da PF, que apura fraudes em licitações, desvio de dinheiro da merenda escolar e transferências bancárias irregulares na cidade que tem 39.049 habitantes e fica a 275 km da capital maranhense, São Luís.

A vigilância foi reforçada em rodoviárias, aeroportos e rodovias do Estado, além de fazendas de amigos da prefeita, que poderiam servir de refúgio. A prefeita está foragida há quatro dias, desde que foi iniciada a Operação Éden, da Polícia Federal. A investigação foi iniciada após denúncia do Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (Gaeco) do Ministério Público do Maranhão (MP-MA) e Ministério Público Federal (MPF). Desde o início da operação, na última quinta-feira, dia 20, foram presos o ex-secretário de Agricultura, Antônio Gomes da Silva, conhecido como "Antônio Cesarino", e de Assuntos Políticos, Humberto Dantas dos Santos, conhecido como Beto Rocha, ex-namorado da prefeita. (De O Imparcial) 

LIDIANE LEITE EM LISTA DE PROCURADOS DA INTERPOL

A Polícia Federal pode ter  incluído o nome da prefeita de Bom Jardim, Lidiane Leite (PRB), na chamada “lista vermelha” da Interpol. A medida será tomada, segundo o superintendente regional da PF no Maranhão, delegado Alexandre Saraiva, em entrevista ao G1 Maranhão, caso ela não se apresentasse espontaneamente até ontem, terça-feira (25), o que parece não ter acontecido. Lidiane está foragida desde a quinta-feira da semana passada (20), quando os federais desencadearam a Operação Éden. Em entrevista ao Blog do Gilberto Léda  na noite de segunda-feira  (24), o advogado da prefeita, Carlos Sérgio de Carvalho, disse que ela “fugiu numa situação de desespero”. Durante o dia de ontem, ele deu entrada com um pedido de habeas corpus para a prefeita, no Superior Tribunal Federal.   

MP TEM TRÊS AÇÕES CONTRA LIDIANE LEITE

Foragida desde a última quinta-feira, prefeita de Bom Jardim vinha sendo acionada desde 2013, mas ignorava as determinações judiciais. A prefeita foragida de Bom Jardim, Lidiane Leite (PP), já foi denunciada três vezes pelo Ministério Público, exatamente por crimes no setor da Educação. Em julho de 2013, a promotora Karina Freitas Chaves ajuizou ação civil pública questionando a oferta irregular de ensino e o não cumprimento do calendário escolar por falta de professores, de transporte e de merenda escolar. Em abril de 2014, nova ação da promotora Karina Chaves, desta vez para Lidiane Leite regularizar – via Liminar da Justiça – o fornecimento de merenda escolar, que prejudicava o calendário de aulas do município. Em outubro de 2014, a promotora Karina Freitas Chaves ajuizou nova ação civil pública contra a prefeita, por ato de improbidade administrativa – exatamente pelo descumprimento da sentença de abril. Mesmo com as ações – e as decisões judiciais – Lidiane Leite permaneceu no cargo por força da própria Justiça. Até ser pega pela Justiça Federal. Uma nova ação do Ministério Público deve ser protocolada nos próximos dias, desta feita para pedir intervenção no município.

 

09:09 - 26/08/2015






Desenvolvido por Adriano Marinho