Eclipse total e superlua promoveram um belo espetáculo nesse domingo

A noite de domingo foi marcada pelo fenômeno do eclipse lunar total não apenas da lua, mas de uma superlua que muitos puderam presenciar e apreciar de diversos pontos estratégicos. O satélite natural do planeta ficou mais próximo durante toda a noite, fazendo com que tivesse um tamanho maior. Durante o fenômeno, foi possível perceber a sombra da Terra impedindo a iluminação da lua.
A Superlua, sozinha, é um fenômeno frequente. Ocorre, pelo menos, uma vez ao ano, quando o satélite atinge o perigeu (ponto de sua órbita com maior proximidade da Terra). Já a combinação desse momento com um eclipse total, como o de amanhã, é bem mais rara. Essa feliz coincidência aconteceu apenas cinco vezes, sendo que a mais recente foi em 1982. Esse grande intervalo de tempo é justificado pela quantidade de posições que a Lua assume em relação à Terra.
Já a superlua ocorre porque a órbita da lua, isto é, o caminho que a lua faz ao redor da Terra, não é circular. Com isso, o satélite se aproxima mais da Terra uma vez por ano, ocasionando o fenômeno.
Ontem foi possível observar a olho nu o satélite natural em sua posição mais próxima do Planeta Azul e sendo gradativamente encoberto, à medida que Sol, Lua e Terra entram em alinhamento. O balé astronômico resultou em uma imensa Lua que assumiu uma cor entre a vermelha e a laranja. Uma nova chance de observar tal fenômeno só será possível em 2033.
Maranhão Lunar
No Maranhão, amantes da astronomia e curiosos puderam participar do Maranhão Lunar. Por meio dessa ação, o Eclipse Total da Lua, foi possível ser notado por volta das 22h, a olho nu ou com o apoio de telescópios em uma linda noite, na Praça Maria Aragão, em São Luís.
Pessoas sentadas na grama ou acomodadas em vários pontos da praça, observaram o espetáculo do fenômeno da natureza, acompanhado de música.
O Maranhão Lunar realizou a programação cultural com o poeta Celso Borges e o cantor Phill Veras. Além disso, o professor do Departamento de Física da UFMA, e membro do Ilha da Ciência, Antônio José Oliveira, e o professor do Departamento de Biologia da UFMA e membro da Sama, Sérgio Brenha, ministraram palestras sobre o tema.
 

O Imparcial

11:24 - 28/09/2015






Desenvolvido por Adriano Marinho