José Reinaldo lança em Bacabal campanha de combate à aftosa

O governador José Reinaldo Tavares lançou nesta segunda-feira, 13, às 10 horas, na Fazenda Bom Jesus, na MA-345, no município de Bacabal, a segunda etapa da campanha de erradicação da febre aftosa. Acompanhado pelo secretário de Estado da Agricultura (SEAGRO), José de Jesus Lemos; do diretor Geral da (AGED), Sebastião Anchieta; diretor da Associação dos Criadores do estado do Maranhão, Cláudio Azevedo; pecuaristas da região; deputados estaduais e federais; prefeitos, pequenos produtores e comunitários em geral- o governador falou do seu contentamento em ver o resultado do investimento do seu governo para a erradicação da febre aftosa, bem como, da fomentação de políticas pecuaristas e agrárias que foram responsáveis pela elevação da melhoria da condição de vida da população maranhense. A segunda etapa de vacinação visa manter a cobertura vacinal acima de 90%, para poder pleitear no próximo ano junto ao Ministério da Agricultura, a classificação de livre ou baixo risco, com vacinação. De acordo com informações da Associação dos Criadores do Maranhão, uma vez imunizado o rebanho, novos investimentos na área poderão ser feitos em breve, inclusive, com a política de exportação para outros estados e também para o exterior. Febre Aftosa - A Febre Aftosa (FA) é uma doença viral altamente contagiosa que afeta gado bovino, búfalos, caprinos, cervídeos, suínos e outros animais que possuem cascos fendidos. Atualmente o Maranhão encontra-se na classificação de Médio Risco. Durante todo o mês de novembro esta nova etapa da campanha se estenderá a todos os animais suscetíveis à doença e que ainda não foram devidamente imunizados. A Associação dos Criadores garante que todo o rebanho existente no território maranhense, ou seja, 6 milhões e 700 mil cabeças de gado-, deverá ser vacinado. A primeira etapa da campanha, ocorreu no mês de maio quando 91,38% foi imunizado. A meta agora, de acordo com os criadores, é pleitear a classificação livre com vacinação (baixo risco) para o ano de 2007. Além do lançamento da campanha, o governador José Reinaldo aproveitou o momento para comemorar juntamente com o diretor da AGED, o agrônomo Sebastião Anchieta e demais criadores e agricultores presentes, o desaparecimento definitivo da Sigatoka Negra, um fungo que ataca a plantação da bananicultura mundial causando prejuízo de modo geral. Com a erradição da praga, o Maranhão poderá a partir de agora exportar não somente para os estados brasileiros, mas também para outros países. De acordo com Anchieta, a Sigatoka Negra, entrou no Brasil em 1998, pelo Amazonas e se difundiu de forma imediata em vários estados, inclusive, no Maranhão.“É com muita felicidade que divulgamos isso à todos, pois a partir de agora podemos assegurar que vencemos mais uma etapa da produção maranhense”, ressaltou Anchieta. Discurso - Durante o evento em Bacabal, o governador José Reinaldo Tavares disse que o Maranhão avançou muito no combate à febre aftosa. Esclareceu ainda que quando assumiu o governo, não havia nenhuma agência para combate às endemias rurais, não havia Secretaria de Agricultura e com isso, a aftosa era classificada como risco desconhecido, o que dificultava o trabalho de acompanhamento da produção agropecuária no Estado. “Hoje estamos marchando depois de dez campanhas de vacinação implementadas, cuja preocupação é livrar o Maranhão dessa doença”, disse, destacando que “quando assumi eram apenas quatro milhões e meio de cabeças de gado e atualmente vai para mais de seis milhões”, ressaltou, completando que, “os agropecuaristas acreditam no Estado e por isso, estamos contribuindo para que essa grande atividade econômica, que sempre sustentou o Maranhão continue, firme e crescente”. Ele lembrou que além de investir no combate à aftosa, o seu governo também investiu na recriação de todo o ssitema agropecuário. Citou como exemplo, a criação de 18 Casas de Agricultura Familiar, a Aged (Agência de Desenvolvimento Agropecuário), aquisição de ferramentas como computadores, carros e por último, o governo contratou veterinários e técnicos para que desenvolvessem o trabalho nesta área que ele considera fundamental, para que pudesse assism, melhorar. “Fizemos uma reconstrução do sistema primário do Estado e agrário, podemos comemorar o sucesso que isso nos deu”, finalizou o governador. Para o presdiente da Associação dos Criadores, Cláudio Azevêdo, a erradicação da febre aftosa no Maranhão, diz respeito a um esforço grandioso do governo estadual e também dos criadores que em parceria trabalharam para atingir este resultado. Para ele, a preocupação maior neste momento é a aquisição do certificado de zona livre da aftosa, que obriga o Estado a cumprir uma série de medidas, para que assim, o Maranhão passe à condição de baixo risco, dentro da classificação do Ministério da Agricultura. “Vejo com muita satisfação este avanço, porque vemos uma decisão importante do governo, uma vez que a aftosa é um problema econômico e político, pois restringe o mercado à exportação, e política no sentido de ter havido decisão do governador em querer investir sobretudo na melhoria da produção agropecuária, demonstrando interesse em ver melhoria na qualidade dos nosso produtos”, ressaltou Azevedo.

19:20 - 13/11/2006






Desenvolvido por Adriano Marinho