Bacabal - Seminário constata que município é o principal agente poluidor

Bacabal - Seminário constata que município é o principal agente poluidor BACABAL – A principal constatação feita pelo II Seminário do Meio Ambiente realizado pelo Ministério Público Estadual em Bacabal, que aconteceu na última quarta-feira, dia 24 de maio, foi que o próprio município é o seu principal agente poluidor. A constatação foi endossada por decisão judicial – em caráter liminar -, expedida pelo juiz Osmar Gomes dos Santos, a pedido da promotora do meio ambiente, Lana Cristina Barros Pessoa, interditando o lixeiro público e o matadouro público municipal, anunciada pelo próprio juiz na abertura do seminário. A promotora é autora de duas ações civis públicas. A primeira interditando o lixão e a segunda interditando o matadouro. Os dois problemas se arrastam ao longo dos anos sem que nenhuma solução definitiva seja encontrada. Diversos prazos já foram estabelecidos pela Justiça para que os dois problemas sejam resolvidos, mas até momento a solução não foi encontrada. Lixeiro O lixeiro público é o mais antigo agente poluidor do município de Bacabal. Nas décadas de 70 e 80 do século passado o lixeiro ocupava as duas margens da BR-316, bem na principal entrada da cidade. Com adoção da coleta do lixo de forma permanente pela prefeitura o local se tornou inviável em razão dos muitos problemas que causava, principalmente para os comerciantes que se estabeleciam ao longo da BR. Em meados da década de 90 o lixão foi transferido pela primeira vez. Porém o local foi ainda mais questionado, principalmente pelos grupos ecológicos Martin Pescador e Viva a Natureza. É que o lixão foi transferido para a margem direita do Rio Bambu, um pequeno afluente do Rio Mearim e principal formador do Lago do Xexéu. Depois de sucessivos protestos e ações judiciais o lixão foi novamente transferido. Porém o local encontrado gerou ainda muito mais polêmica. A prefeitura, no final da década de 90, invadiu parte do terreno à época pertencente ao Frigorífico Bacabal. Além disso, a área fica muito próximo ao Rio Mearim, o que gerou ainda mais discussões e protestos. Mais recentemente, na virada do século, o lixão foi novamente transferido de local. Só que a nova área adotada pela prefeitura fica muito próximo aos bairros Vila Palmeira, Vila São João, Vila Santos Dumont, Vila Jurandir Lago, Bosque Aracati I e II, o que provocou nova onde de protestos e ações. Os moradores das proximidades alegam que sofrem uma série de problemas, que variam desde ações prejudiciais a saúde e passam pelo mau cheiro o grande número de moscas e insetos, além do excesso de fumaça com a combustão natural ou proposital do lixão. Matadouro O principal problema causado pelo matadouro público de Bacabal é poluir diretamente o Rio Mearim. Construído no fim da década de 80 o matadouro público de Bacabal sempre foi alvo das ações da promotoria do meio ambiente por ter sido construído originalmente sem a adoção de filtros para linhas verde e vermelha. Todo o sangue e todas as fezes das reses que são abatidas no matadouro são jogados diretamente no rio. Ao longo de todos esses anos novos problemas também foram acrescidos ao funcionamento do matadouro, principalmente de ordem de higiene. Em razão disso o matadouro já foi diversas vezes ameaçado de interdição, porém continua funcionado até hoje. Ao acatar as duas ações públicas expedindo as duas medidas liminares o juiz Osmar Gomes do santos deu também um prazo de 150 dias para a prefeitura resolver definitivamente o problemas causados pelo lixão e pelo matadouro. Seminário Do seminário promovido pelo Ministério Público participaram sindicatos, associações de moradores, membros do poder executivo e do legislativo municipal, gerente de bancos oficiais e a sociedade civil organizada. Como o município não dispõe em sua estrutura administrativa de uma secretaria do meio ambiente foi representado, na condição de parceiro, pela secretaria de desenvolvimento rural. Além da degradação do meio ambiente o seminário discutiu ainda temas como: pesca predatória e saneamento básico, sendo que também foi constatado que a cidade de Bacabal é desprovida de rede de esgoto. Apenas os bairros Cohab I, II e III dispõe de rede de esgoto. Por - Abel Carvalho do Imirante.com

10:13 - 27/05/2006






Desenvolvido por Adriano Marinho