Educadores aprovam continuidade de greve por tempo indeterminado

Ribamar Praseres Os trabalhadores em educação pública do Maranhão manterão a greve geral da categoria, por tempo indeterminado. Essa foi a decisão tomada hoje ontem pela manhã, no ginásio no Cegel (Complexo Educacional Edson Lobão), durante assembléia geral convocada pelo Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Maranhão (Sinproesemma). A assembléia também aprovou a realização de um ato público segunda-feira (9) à tarde no Centro de Convenções de São Luís (ao lado do Multicenter Sebrae), durante seminário internacional em que o governador Jackson Lago vai estar presente. A decisão demonstra o grau de revolta com a nova política salarial implantada pelo governo do Estado. A categoria não recuou nem mesmo diante da decisão do juiz da 5ª Vara da Fazenda Pública, Raimundo Nonato Neris Ferreira, que decretou a greve dos educadores públicos maranhenses ilegal. O juiz determinou a suspensão da greve, desconto nas remunerações dos professores, para o caso de não retornarem às suas atividades, e multa diária de R$ 50 mil, a ser exigida do Sinproesemma se não cumprir a determinação judicial. O pedido de ilegalidade foi feito pelo governo do Estado sob a alegação de “intransigência por parte dos docentes”. Na avaliação do presidente do Sinproesemma, Odair José, a categoria mostrou que está disposta a ir à luta em defesa de seus direitos, ainda que com sacrifício dos próprios salários. “Diante da intransigência do governo e com a disposição da categoria, realizaremos várias ações de impacto”, declarou o sindicalista, que disse que até hoje (dia 6) não foi notificado da decisão judicial. O juiz Raimundo Neris decretou a ilegalidade do movimento paredista, entrou de férias e não assinou a notificação. BR-135 Na quinta-feira (dia 5), os educadores interditaram as duas pistas da BR-135, no Campo de Perizes, logo após o Estreito dos Mosquitos. Foi uma das formas de cobrar do governo do Estado atendimento às reivindicações da categoria, que está em greve há mais de 40 dias. O protesto durou 30 minutos, durante os quais se formou um grande engarrafamento. Antes do bloqueio da rodovia, o Sinproesemma e as entidades dos professores de funcionários da Universidade Estadual do Maranhão (Uema) realizaram uma manifestação na entrada daquela instituição.

09:42 - 07/07/2007






Desenvolvido por Adriano Marinho