Falta de segurança nos cemitérios de Imperatriz preocupa a população

A falta de segurança nos cemitérios de Imperatriz, a 626 km de São Luís, tem preocupado os visitantes e, também, quem mora nas áreas próximas ao local. O muro baixo é o meio que os usuários de drogas usam para entrar no cemitério durante a noite. Além disso, a precariedade da manutenção de alguns espaços faz aumentar ainda mais a sensação de insegurança.

Na região, é possível observar os sinais de vandalismo nos túmulos. A ação tem amedrontado os funcionários, que são orientados a não andar pelo o cemitério durante o período da noite. De acordo com o encarregado dos cemitérios municipais, Valdecy Marques, por conta da constante sensação de perigo, os vigias acabam ficando boa parte do tempo na administração, tentando evitar a ação dos criminosos.

"Toda a noite tem um vigia diferente. Ele se torna refém desse povo. Ele fica na parte do patrimônio da administração, que é montar os arquivos. Porque se ele for se dirigir pra esses túmulos de noite é capaz dele morrer".

O encarregado diz ainda que a maioria dos usuários de drogas são adolescentes. Por isso, a dificuldade da polícia em combater a presença deles. Segundo a Polícia Militar, do começo do ano até agora, três pessoas já foram assassinadas dentro de cemitérios em Imperatriz. O último caso foi registrado na semana passada.

Um jovem identificado apenas como Emerson foi morto com golpes de uma cruz de madeira. O crime aconteceu no Cemitério Campo da Saudade. Outro caso registrado no primeiro semestre foi no Cemitério Municipal Jardim das Rosas, no bairro Parque Alvorada. O lugar é ainda mais desprotegido.

Na área do muro há bastante ferro retorcido. Em alguns pontos o mato já encobriu o túmulo. Os funcionários dizem que o cenário do cemitério se encontra nestas condições há pelo menos dois anos. A Polícia Militar em Imperatriz afirma que são feitas rondas diariamente nas proximidades dos cemitérios, e pede para que a qualquer suspeita de crime a população denuncie.


G1

11:08 - 28/10/2014






Desenvolvido por Adriano Marinho