CÉLULAS-TRONCO AJUDAM A ATACAR DIABETES EM CAMUNDONGOS

Células-tronco extraídas da medula óssea podem ser um auxílio importante no combate ao diabetes, indica um estudo americano publicado hoje. Num teste em camundongos, elas parecem favorecer a produção de insulina, além de evitar danos aos rins causados pela doença. No estudo, capitaneado por Ryang Hwa Lee, da Universidade Tulane, em Nova Orleans, os pesquisadores usaram um tipo especial de células-tronco da medula óssea, já conhecido por sua aparente capacidade de levar a melhoras em várias doenças, como problemas cardíacos. As células-tronco são curingas fisiológicos, capazes de assumir a função de diversos tecidos, mas seu potencial varia. As mais versáteis são as embrionárias mas, para obtê-las, é preciso destruir o embrião de onde vêm, o que gera objeções éticas contra seu uso. As da medula óssea não criam esse problema, mas aparentemente também são menos versáteis. Não se sabe se elas realmente conseguem assumir a forma dos tecidos que vão reparar ou se apenas liberam substâncias que favorecem o reparo deles. Na pesquisa, Lee e seus colegas induziram o diabetes nos camundongos com a ajuda de um antibiótico que destrói as células produtoras de insulina do pâncreas. Sem insulina no sangue, os níveis de glicose (açúcar) sangüíneo dos roedores cresceram. Depois, os pesquisadores injetaram nos animais as células-tronco da medula óssea humana. Aparentemente, as células-tronco não se transformaram em produtoras de insulina, mas sua presença estimulou o reaparecimento das células dos camundongos que desempenham esse papel, melhorando seu estado de saúde.

11:12 - 07/11/2006






Desenvolvido por Adriano Marinho